ONDE ESTAMOS

UNO - Medical & Office:
Av. Pontes Vieira, 2340 - Sala 417

TELEFONES

(85) 9.8200-7373
(85) 9.8220-7373 / (85) 3636.0323

TAQUICARDIA POR REENTRADA NODAL

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Taquicardia por reentrada nodal (TRN) é o tipo mais comum das taquicardias paroxísticas supraventriculares (TPSV) ocorrendo em aproximadamente 50% dos pacientes com TPSV com predominância do sexo feminino e em adultos jovens. Tem como mecanismo eletrofisiológico a reentrada envolvendo duas vias de condução com características distintas no nó atrioventricular.

Apresentação clínica

A TRN é caracterizada por um início e término súbitos dos episódios. Os episódios podem durar de segundos, minutos ou dias. Na ausência de doença cardíaca estrutural, é geralmente bem tolerada. Os sintomas mais comuns incluem palpitações, mal estar, ansiedade, tontura, sudorese fria, palidez, desconforto no peito , batimentos no pescoço e dispnéia. Poliúria pode ocorrer após o término do episódio (devido à liberação de fator natriurético atrial). TRN pode causar ou agravar a insuficiência cardíaca em pacientes com disfunção ventricular esquerda. Isso pode causar angina ou infarto do miocárdio em pacientes com doença arterial coronariana. Síncopes (perda súbita da consciência – desmaio) podem ocorrer em pacientes com frequências cardíacas elevadas e prolongadas devido ao enchimento ventricular diminuído, queda do débito cardíaco, hipotensão arterial e diminuição da circulação cerebral.

Diagnóstico

– História clínica
– ECG durante as crises de taquicardia
– Holter 24h
– Ecocardiograma: para afastar doença estrutural
– Teste Ergométrico
– Estudo eletrofisiológico

Tratamento

O tratamento de um episódio agudo depende dos sintomas, da presença de doença cardíaca subjacente e a história natural de episódios anteriores.

– Manobras vagais – Massagem do seio carotídeo, a exposição do rosto para água gelada, manobra de Valsalva

-Drogas Antiarrítmicas: Adenosina, bloqueadores dos canais de cálcio, betabloqueadores e digitais.

– Cardioversão elétrica sincronizada: Usada para terminar uma crise quando existe comprometimento hemodinâmico ou na ineficácia da cardioversão química. A cardioversão raramente é necessária para tratar a taquicardia reentrada nodal (TRN).

– Ablação com radiofrequência: Deve ser considerada como primeira opção de tratamento por ser um procedimento seguro e curativo. Indicado em pacientes com episódios sintomáticos frequentes que não querem ou toleram a terapia com drogas antiarrítimias ou nos quais a terapia com drogas não é eficaz. Índice de sucesso 96 – 99%, taxa de recorrência 3,4 -6,9 %, com índices de complicações variando de 1 – 5% (risco de BAVT varia 0,6 – 1,3% em diferentes séries).