ONDE ESTAMOS

UNO - Medical & Office:
Av. Pontes Vieira, 2340 - Sala 417

TELEFONES

(85) 9.8200-7373
(85) 9.8220-7373 / (85) 3636.0323

TAQUICARDIAS POR REENTRADA ATRIOVENTRICULAR

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

As taquicardias por reentrada atrioventricular (TRAV) apresentam como características movimentos circulares do impulso elétrico envolvendo átrios e ventrículos utilizando o sistema normal de condução e via acessória que conduzem em ambos os sentidos (anterógrada e retrogradamente em torno de 60%) caracterizando os padrões de pré-excitação ventricular, sendo chamada de síndrome de Wolff-Parkinson-White (WPW) sua forma típica ( caracterizada por sintomas e pré-excitação ventricular no ECG) e as que possuem condução anterógrada ou retrógada exclusivas. Tem uma prevalência de 0,15% – 0,25% na população geral.

Apresentação clínica

A TRAV é caracterizada por um início e término abrupto dos episódios, mais frequentes em paciente jovens. Os pacientes com pré-excitação ventricular podem ser assintomáticos ou sintomáticos, onde os sintomas mais comuns incluem palpitações, mal estar, ansiedade, tontura, sudorese fria, palidez, desconforto no peito , batimentos no pescoço, dispnéia e raramente síncopes. TRAV pode causar ou agravar a insuficiência cardíaca em pacientes com disfunção ventricular esquerda. Síncopes podem ocorrer em pacientes com frequências cardíacas elevadas e prolongadas devido ao enchimento ventricular diminuído, queda do débito cardíaco, hipotensão arterial e diminuição da circulação cerebral. A ocorrência de fibrilação atrial nos pacientes com síndrome de WPW pode resultar em frequências cardíacas elevadas com possibilidade de deterioração para fibrilação ventricular e morte súbita. A prevalência de morte súbita é em torno de 0,15 % – 0,39% em 3-10 anos de seguimento clinico, muitas vezes podendo ser a primeira manifestação clínica da síndrome de WPW.

Diagnóstico

– História clínica

– ECG: presença de onda delta

– Holter 24h

– Ecocardiograma: para afastar doença estrutural

– Teste Ergométrico: avaliar o desaparecimento súbito da pré-excitação ventricular durante o exame( baixa frequência de bloqueio pela via acessória: 10%).

– Estudo Eletrofisiológico Invasivo: avaliar período refratário da via acessória e indução de taquicardias.

Tratamento

O tratamento de um episódio agudo depende dos sintomas, da presença de doença cardíaca subjacente e a história natural de episódios anteriores.

– Manobras vagais – Massagem do seio carotídeo, a exposição do rosto para água gelada, manobra de Valsalva

– Drogas Anti-arrítmicas: amiodarona, propafenona, bloqueadores dos canais de cálcio (diltiazen e verapamil) e betabloqueadores (nas taquicardias ortodrômicas). Adenosina deve ser evitada pelo risco de desenvolvimento de FA com alta resposta ventricular nas taquicardias pré-excitadas aumentando dessa forma o risco de fibrilação ventricular e morte súbita.

– Cardioversão elétrica sincronizada: Usada para terminar uma crise quando existe comprometimento hemodinâmico ou na ineficácia da cardioversão química. A cardioversão raramente é necessária para tratar a taquicardia reentrada nodal (TRAV).

– Ablação com radiofrequência: Considerada como tratamento de escolha (classe I). Índice de sucesso global de 97%, 8% de recorrência tardia e com índices de complicações variando em trono de 2,4%.